Texto sobre a história do nome Lua de Sabedoria


Yeshe Dawa era uma princesa em um reino há muitos éons. Ela era bastante estudiosa e uma aluna muito dedicada aos estudos do Dharma, tendo acumulado muitos méritos e sabedoria. Também possuía um grande coração compassivo. Por todo reino ela era reconhecida por sua grande benevolência e realizações. Tomou sua vida como um oferenda ao Buda.

Em certo momento de sua prática espiritual, ela questiona seus mestres sobre os passos necessários para que atingisse a iluminação e retomasse seu trabalho em benefício dos seres. Seus mestres não tardaram a orientá-la para que rezasse muito a fim de que pudesse em alguma encarnação voltar como homem e, assim, ter a possibilidade de atingir a iluminação. Então, ela faz seu voto.

Compreendendo que o gênero não deveria ser um fator obstaculizante à iluminação de qualquer ser, ela decide rezar para retornar quantas vezes fossem necessárias em corpo de mulher para atingir a iluminação em sua manifestação feminina. Ela medita, então, durante 10 milhões de anos.

Ao final desse ciclo de meditações, Lua de Sabedoria renasce como Tara, a Deusa da Cura, aquela que enxerga os clamores do mundo, a senhora de mil olhos, a forma feminina de Buda.